Roteiro de 15 Dias pela Espanha

Se você está planejando visitar a Espanha e tem dúvidas de como montar um roteiro passando por várias cidades deste maravilhoso país, então não perca este post.

Espanha

Espanha

Após um longo ano sabático, dei seguimento às minhas andanças pelo Velho Continente em 2017, escolhendo conhecer um dos países mais visitados dele e que eu ainda não tinha ido: a Espanha.

Demorei um pouco a optar por esse destino por julgar que outros seriam prioridades na minha lista de preferência. Não que achasse que fosse ruim ou que tivesse poucas coisas pra visitar. Mas, sei lá... Na hora H, eu acabava sempre deixando pra próxima.

E ao término da viagem, a grata surpresa: eu A-MEI a Espanha! Achei um país maravilhoso e muito bonito.

A viagem aconteceu entre os meses de Fevereiro e Março de 2017 e fui pega de jeito, pois voltei totalmente apaixonada pela Espanha. A ponto de colocar uma de suas cidades no meu Top 3 dos lugares que mais adorei conhecer.

Por falar nas cidades, achei todas agradáveis, limpas, seguras e lindas. A cada uma que eu chegava me surpreendia positivamente com tudo – especialmente com os espanhóis, que não tem nada de antipáticos e grosseiros como haviam me falado. Encontrei exatamente o oposto quando estive por lá.

Neste post, trago o roteiro da minha viagem de 15 dias pela Espanha, incluindo as minhas impressões sobre os lugares que passei, os hotéis em que fiquei hospedada, os perrengues e imprevistos ocorridos e, como é de praxe nos meus artigos aqui no blog, algumas dicas baseadas na minha experiência.

A ideia do post é que você veja o que fazer e o que ver na Espanha e utilize-o como auxílio para preparar seu próprio roteiro, dentro da sua disponibilidade de tempo e interesse.

Alugar um carro pode ser uma ótima opção

A melhor forma de explorar um novo destino, com liberdade total, é alugando um carro. Em muitos casos você poderá economizar, evitando despesas com translados e deslocamentos em geral. Será que vale a pena? Faça uma cotação online na RentCars e encontre as menores tarifas entre as principais locadoras. Você tem a vantagem de poder pagar em reais, sem IOF, e ainda parcelar no cartão.

O Roteiro

Essa viagem durou, na verdade, 14 dias e meio. O meu vôo chegou em Barcelona na hora do almoço, de modo que o primeiro dia foi, na verdade, apenas uma tarde.

Escolhi começar pela capital da Catalunha por questões logísticas, já que depois de visitar a Espanha, eu iria fazer um stopover em Lisboa, antes de voltar ao Brasil. A ideia era começa pelo norte, vir descendo até a Andaluzia, terminando o passeio próximo da fronteira com Portugal.

Quem quiser fazer o trajeto inverso, não vejo problemas. Mas sempre trago nos meus posts uma DICA que sigo e sempre dá certo: faça primeiro os destinos que tem mais coisas pra visitar, pois é quando estamos com todo o gás e disposição pra encarar as andanças.

Há quem prefira deixa-los para o fim, como um "gran finale", mas particularmente não acho legal, porque depois de 15 dias, já estamos um pouco cansados pela maratona.

E fazer um destino com milhares de coisas pra visitar estando neste estado, acaba que a gente não aproveita direito. Digo isso por experiência...

Mas cada um tem uma preferência, ou seja, não existem regras. Cabe a você decidir qual o itinerário que caberá melhor nas suas condições. A título de orientação, dentre as cidades que visitei, as que mais tinham coisas pra visitar foram Barcelona e Madri.

Dito isso, meu roteiro foi assim...

DIAS 1 (meio), 2, 3, 4 e 5 – Barcelona

Conforme falei acima, meu vôo chegou por volta das 13h, de modo que o “dia 1” foi pela metade. Ou seja, durou apenas uma tarde.

Para chegar ao centro, utilizei o Aerobús – um ônibus que faz o traslado do Aeroporto El Prat até pontos estratégicos da capital catalã. Há 2 linhas: uma saindo do Terminal 1 e a outra do Terminal 2. O bilhete é comprado diretamente com o funcionário da empresa, que fica no ponto do ônibus. (informações)

O meu ponto de descida era na Plaça de Espanya, que ficava muito perto do ótimo Hotel Onix Fira, onde fiquei hospedada.

Barcelona é tudo aquilo que todo mundo fala: uma cidade linda, diferente e movimentada. Apesar de eu ter visitado no inverno e ter pegado 2 dias de céu nublado (um deles com chuva), ainda assim vi alegria e um fervor de gente em suas ruas. Fico imaginando que isso deva ser ainda maior nos meses de verão.

BARCELONA: Park Güell e a Sagrada Família (em cima) – Terraço de La Pedrera e a Casa Batlló no Passeig de Gràcia (embaixo)

BARCELONA: Park Güell e a Sagrada Família (em cima) – Terraço de La Pedrera e a Casa Batlló no Passeig de Gràcia (embaixo)

E o que dizer das obras de Gaudí? Ele era O cara! Sua genialidade vai muito além das belezas exóticas de suas construções. Tudo é milimetricamente pensado e cheio de significados, tanto arquitetônico quanto simbólico. Sem dúvida, a “cereja do bolo” da visita à Barcelona.

E ainda tem muito mais: o Bairro Gótico e seu clima medieval, a colina de Montjuȉc e sua bela vista da cidade, as praias banhadas pelo Mediterrâneo, o bairro do Eixample com seu charme modernista, a as Ramblas sempre muito alegre e lotada de gente... Nossa! Tem tudo isso e muitas outras coisas interessantes pra conhecer e curtir.

Ramblas de Barcelona

Ramblas de Barcelona

Teleférico subindo o Montjuȉc em Barcelona

Teleférico subindo o Montjuȉc em Barcelona

Vá se preparando: Barcelona é uma daquelas cidades que quanto mais tempo você reserva pra ela, mais coisas aparecem pra visitar. Fiquei 4 dias e meio e voltei de lá com a nítida sensação de que não foi suficiente. E olha que conheci só o essencial, hein?!

Para saber o que fazer em Barcelona e obter mais detalhes de como foram esses dias que passei por lá (adaptável para 4 dias inteiros), então leia o post sobre o meu Roteiro de 4 dias e meio em Barcelona.

DIAS 6, 7, 8 e 9 – Madri

Saí cedinho da capital catalã e fui até a estação ferroviária Barcelona Sants pegar um trem até a fabulosa cidade de Madri.

Na verdade, fabulosa ainda é um adjetivo muito aquém pra definir o que eu achei da capital espanhola. Eu fiquei apaixonada por ela já na saída da estação Madrid Puerta de Atocha e esse sentimento só aumentou nos dias que se seguiram.

Sabe quando você chega num lugar e pensa “Eu moraria aqui facilmente.” ?

Rachei um taxi com as pessoas que estavam comigo nessa viagem da estação de trem até o Regente Hotel, onde fiquei hospedada. E apesar de ficar um pouco distante da estação ferroviária, era muito bem localizado: ficava na esquina da Gran Vía e a poucos metros da Plaza Puerta del Sol, bem no centro turístico da cidade.

Madri é linda, segura e com um fervor de gente que a torna um lugar vivo e alegre. É delicioso perambular por suas ruas e praças.

MADRI: Urso símbolo da cidade na Plaza Puerta del Sol e a Plaza de Cibeles (em cima) – Plaza Mayor e Parque del Retiro (embaixo)

MADRI: Urso símbolo da cidade na Plaza Puerta del Sol e a Plaza de Cibeles (em cima) – Plaza Mayor e Parque del Retiro (embaixo)

Isso sem contar com as opções de museus. Há vários considerados de referência mundial, como o fantástico Museu do Prado – uma das principais galerias de arte do mundo.

Mas o ponto alto pra mim foi o Palácio Real de Madri: um dos mais lindos que já visitei. E ainda dei sorte de pegar o dia da troca da guarda, que acontece apenas 1 vez por mês no pátio interno.

Sei que gosto não se discute, mas na minha humilde opinião, Madri deu um verdadeiro OLÉ em Barcelona.

Não é que eu não tenha gostado da capital catalã (muito pelo contrário). Mas, de longe, ela NÃO foi a melhor cidade que visitei nessa viagem. É linda sim, é diferente sim, é alegre sim... Mas, sem surpresas.

Já Madri, não. Quase todo mundo que visita a Espanha fica fazendo propaganda de Barcelona e praticamente ignora as outras cidades, de modo que chegamos à capital espanhola sem grandes expectativas.

E é numa dessas que acabamos fisgados de jeito...

Paseo del Prado em Madri

Paseo del Prado em Madri

Palácio Real de Madri

Palácio Real de Madri

Foi o meu caso. Não só foi uma surpresa muito boa, como Madri entrou definitivamente para o meu atual Top 3 lugares que mais amei conhecer.

Para saber o que fazer em Madri e mais detalhes de como foram esses dias que passei por lá, leia o post sobre o meu Roteiro de 4 dias em Madri.

DIA 10 – Toledo

Esse dia foi reservado para fazer um “bate-volta” de Madri para a cidade de Toledo.

Peguei o trem cedo na estação Atocha em Madri e 30 minutos depois estava chegando na pequena estação ferroviária de Toledo.

Essa cidade é uma joia medieval da Espanha e se destaca por causa do seu centro histórico, cercado por uma antiga muralha e situado no alto de uma colina, rodeada pelo Rio Tejo – aquele mesmo que passa em Lisboa, antes de desembocar no oceano.

Se você for apaixonado(a) por história ou for fã de coisas que remetem a Idade Média e cavaleiros com armaduras de ferro, pode se preparar: vai voltar pra casa encantado(a) por Toledo.

TOLEDO: Panorama do Mirador del Valle e loja de armas + armaduras (em cima) – Arcos mouriscos da Sinagoga Sta Maria la Blanca e a Catedral de Toledo (embaixo)

TOLEDO: Panorama do Mirador del Valle e loja de armas + armaduras (em cima) – Arcos mouriscos da Sinagoga Sta Maria la Blanca e a Catedral de Toledo (embaixo)

É tudo tão pitoresco e preservado que, se não fossem as roupas dos transeuntes e parafernálias modernas que possuímos hoje, dava perfeitamente pra achar que fomos colocados numa máquina do tempo e sido transportados para séculos atrás.

E pra deixar a arquitetura de Toledo ainda mais interessante e bonita, ainda há vários detalhes mouriscos nas construções, já que a cidade esteve sob domínio dos árabes há muitos anos atrás.

Quem estiver visitando Madri não deve deixar de dar uma esticada a Toledo. É um passeio imperdível e muito tranquilo de ser feito.

Para saber o que ver e fazer em Toledo e mais detalhes de como foi esse dia que passei por lá, leia o post sobre o meu Roteiro de 1 dia em Toledo.

DIA 11 – Córdoba

Esse dia estava inicialmente reservado apenas para o deslocamento (de mala e cuia) de Madri até Granada, mas graças à dica de uma amiga que já conhecia a Espanha, acabei encaixando uma visita a Córdoba nesse trajeto.

E agradeci muito a ela depois, porque eu adorei o passeio! Mesmo com a chuva enjoada que caiu no dia, atrapalhando um pouco as andanças.

Já contratou o Seguro Viagem?

Você sabia que quando se viaja para a Europa a contratação de um seguro viagem com cobertura mínima de 30 mil euros é obrigatória? Então, faça agora mesmo uma cotação na Seguros Promo e escolha entre as melhores seguradoras sempre com o melhor custo benefício. Aproveite essa oportunidade e tenha 5% de desconto utilizando o nosso cupom: PARAVIAGEM05.

Mas quase não consegui faze-lo. O perrengue já começou logo na programação, pois a Renfe (cia ferroviária espanhola) só liberou as datas dos trens em cima do início da viagem. E mais: soltou poucas opções e em horários meio exóticos (no meio da tarde ou já de noite e chegando tarde no destino final).

O motivo desse enrolo é o fato de que a estação de trem de Granada encontrava-se em obras, para instalação dos trilhos que comportem os trens de alta velocidade. Quem quisesse chegar lá de trem, era preciso saltar na estação Antequera / Santa Ana e depois pegar o ônibus fretado da Renfe até Granada.

Acabou dando tudo certo e consegui programar essa parada em Córdoba antes de seguir pro meu destino final daquele dia. E como estava de mala a tiracolo, tive que guardar a bagagem em algum lugar para poder passear livre.

E aí, outro perrengue: conforme dicas obtidas na internet, fui deixar minha mala M (65 cm) e a minha mala P (de levar dentro do avião) no guarda-volumes da Rodoviária de Córdoba, que ficava logo ao lado da estação de trem. Só que ninguém contou que lá havia apenas armários pequenos – a ponto de ter que tirar algumas coisas de dentro da mala M pra poder caber.

Passado o stress de guardar a bagagem, fui finalmente conhecer a cidade. E gostei tanto que acabei esquecendo todos esses “impasses”.

Depois de 10 dias visitando a Espanha, essa foi a primeira cidade que conheci da linda região da Andaluzia e já de cara me apresentou toda aquela beleza mourisca na arquitetura dos seus edifícios do centro histórico.

O destaque inegável foi a espetacular Mesquita–Catedral de Córdoba, que assim como o nome, traz uma mistura pra lá de peculiar entre o católico e o muçulmano. Não tem como não ficar boquiaberto diante daqueles detalhes barrocos em meio ao mar de arcadas mouriscas da antiga Mesquita. São tão bonitos, que nem mesmo os católicos tiveram a coragem de demolir, depois da Reconquista.

CÓRDOBA: Mesquita-Catedral e a Porta de entrada do Centro Histórico (em cima) – Ponte Romana e o jardim do Alcázar dos Reis Católicos (embaixo)

CÓRDOBA: Mesquita-Catedral e a Porta de entrada do Centro Histórico (em cima) – Ponte Romana e o jardim do Alcázar dos Reis Católicos (embaixo)

O labirinto das ruas estreitas da cidade é bastante propício pra nos perdermos por lá – o que acaba gerando um passeio maravilhoso, pode acreditar. A cada esquina descobrimos alguma lojinha, café, restaurante interessantes, localizados em construções de paredes brancas (muitas delas com vasos azuis de flores característicos pendurados na fachada).

Alguns estabelecimentos e casas ainda deixam uma brechinha pra que as pessoas que estejam passando na rua possam espiar seus pátios internos, lindamente mouriscos. Inclusive, consegui entrar em um deles pra ver de perto (calma, não foi nenhuma invasão de propriedade privada...).

No final do passeio, voltei à Rodoviária, peguei minha bagagem e segui pra estação de trem. Optei por pegar o das 19:30, para dar tempo de perambular por Córdoba o máximo possível.

Para saber o que ver e fazer em Córdoba e mais detalhes de como foi esse dia que passei por lá (incluindo outras dicas sobre a questão da bagagem), leia o post com meu Roteiro de 1 dia em Córdoba na Espanha.

DIA 12 – Granada

Conforme mencionei acima, cheguei em Granada na noite anterior (por volta das 21:30), depois de uma parada pra conhecer Córdoba. O ônibus fretado da Renfe me deixou na estação de trem da cidade e bastou ir caminhando até o Leonardo Hotel Granada (antigo Vincci Granada), onde fiquei hospedada. Ele ficava só a 5 minutos a pé de lá.

Amanhecendo na cidade, tirei esse primeiro dia para conhecer Granada em si. A ideia era visitar o bonito e agradável centro histórico pela manhã e perambular pelo interessante bairro do Albaicín à tarde.

Porém, houve um imprevisto. Caiu um verdadeiro pé d'água nesse dia e tive que mudar meus planos, pois ficou impraticável andar na rua com aquele aguaceiro todo.

Apesar disso, consegui fazer o passeio da manhã e fiquei encantada com a mistura do barroco católico com o árabe que encontrei por lá. Enquanto nos deliciamos com a beleza barroca da Catedral de Granada e da Capela Real anexa, nos deparamos (logo ao lado) com a entrada para a Alcaicería, um mini mercado de artesanatos de decoração mourisca, cheio de tapetes, lanternas coloridas e narguilés. Praticamente um Marrocos dentro da Espanha!

GRANADA: Plaza Bib-Rambla e uma Tetería (casa de chá) da cidade (em cima) – Alcaicería (parece um mercado marroquino) e a Catedral de Granada (embaixo)

GRANADA: Plaza Bib-Rambla e uma Tetería (casa de chá) da cidade (em cima) – Alcaicería (parece um mercado marroquino) e a Catedral de Granada (embaixo)

Essa mistura se deve ao fato de que Granada foi a cidade que mais tempo ficou sob domínio dos Muçulmanos na Península Ibérica e tem sua história marcada pela Reconquista realizada pelo famoso casal de monarcas Isabel de Castela e Fernando de Aragão: os lendários Reis Católicos.

Eu tinha assistido uma maratona do seriado “Isabel” antes de fazer essa viagem e isso deu um toque especial a essa visita a Granada (assim como a Toledo, a Córdoba e a Sevilha). Se você adora uma boa série e gosta um pouco de história, uma DICA é assisti-la antes da sua viagem à Espanha. Super recomendo.

Apesar de ter abortado a visita ao Albaicín na parte tarde (por causa da chuva), recomendo que você siga o meu roteiro original – que é bem viável de ser feito.

Albaicín de Granada

Albaicín de Granada

Mirador San Nicolás no Albaicín: vista pra Alhambra

Mirador San Nicolás no Albaicín: vista pra Alhambra

A minha visita aconteceu no dia seguinte e foi uma grata surpresa. O antigo bairro muçulmano de Granada guarda muitas belezas. Foi bastante agradável perambular por suas ruas estreitas e apreciar a vista da cidade (e de Alhambra) à partir de seus mirantes.

Para saber o que ver e fazer em Granada e mais detalhes de como foi esse dia que passei por lá, leia o post com meu Roteiro de 2 dias em Granada (que INCLUI TAMBÉM o dia que vou relatar a seguir...).

DIA 13 – Granada: Alhambra e Generalife

Meu segundo dia em Granada estava reservado para conhecer uma das atrações que eu mais queria ver de perto nessa viagem: o fabuloso complexo palaciano de Alhambra.

E não me decepcionei: ele é de fato lindo e faz jus a fama de ser uma das visitas mais procuradas da Espanha.

Cercado por muros e situado estrategicamente no alto de uma colina da cidade, trata-se de uma antiga medina muçulmana que abrigava o complexo de palácios dos Reis Mouros que dominavam Granada, bem como as residências de sua Corte e dos funcionários do complexo.

Complexo palaciano de Alhambra em Granada

Complexo palaciano de Alhambra em Granada

Infelizmente, muita coisa foi destruída ao longo desses 500 anos pós-Reconquista Católica e vários acréscimos foram realizados depois, como a construção do Palácio de Carlos V e algumas igrejas.

Mas ainda resistiram ao tempo os magníficos Palácios Nasridas, com suas paredes e tetos hiperdecorados, deixando qualquer visitante de queixo caído com tanta beleza e precisão nos traços.

Uma coisa que achei incrível é que, apesar de extravagantes, eles são de extremo bom gosto ao mesmo tempo. Uma façanha que poucos arquitetos conseguem fazer.

O passeio inclui também uma visita ao Palacete e jardim anexos, que funcionava como refugio dos reis muçulmanos: o agradável Generalife.

ALHAMBRA: Palácio de Carlos V e uma das salas dos Palácios Nasridas (em cima) – Torre da fortaleza de Alhambra e Generalife (embaixo)

ALHAMBRA: Palácio de Carlos V e uma das salas dos Palácios Nasridas (em cima) – Torre da fortaleza de Alhambra e Generalife (embaixo)

Como tive o imprevisto da chuva no dia anterior, precisei encaixar o passeio pelo Albaicín após essa visita a Alhambra. Não recomendo que seja feito dessa forma, pois o passeio pelo complexo palaciano é extenso e exige muitas andanças. Não é que seja impossível, mas cheguei um pouco cansada ao pitoresco bairro de Granada.

O que indico mesmo é que, se você ainda tiver disposição para visitar alguma coisa depois de Alhambra, dê uma fugida ao bairro de Sacromonte, o antigo reduto cigano de Granada.

Para saber o que ver e fazer em Alhambra e no Generalife e mais detalhes sobre esse passeio, então não perca o post Roteiro de visita a Alhambra: dicas para se programar e o que ver por lá.

DIAS 14 e 15 – Sevilha

Fechando essa viagem com chave de ouro, fiquei 2 dias na maravilhosa capital da Andaluzia – a cidade de Sevilha.

Na verdade, acabou sendo 1 dia e meio, pois saí cedo de Granada e, por causa das obras, tive que fazer aquele esquema “ônibus fretado até Antequera/Sta. Ana >> trem até o destino”. Acabei chegando à cidade no final da manhã.

E mais uma vez nesta viagem, senti uma simpatia imediata ao sair da estação ferroviária. Me deparei com uma cidade solar, alegre e cheia de gente nas ruas.

Depois de uma curta viagem de Tram (dá pra andar nele tranquilamente de mala a tiracolo) fui até o muitíssimo bem localizado Hotel Goya onde fiquei hospedada e deixei minhas malas. Em seguida, parei pra um almoço e fui depois conhecer essa que foi uma das cidades mais agradáveis que visitei na Espanha.

Depois de ter passado por 5 cidades e visitado muitas atrações interessantes, foi em Sevilha onde encontrei a Catedral mais linda dessa viagem (gostei mais do que a de Toledo) e também a praça mais bonita: a Plaza de España.

SEVILHA: Metropol Parasol e Plaza de España (em cima) – Alcázar de Sevilha e a Giralda da Catedral (embaixo)

SEVILHA: Metropol Parasol e Plaza de España (em cima) – Alcázar de Sevilha e a Giralda da Catedral (embaixo)

E o que dizer da dança flamenca? Ela é a cara da Espanha e pode ser apreciada em qualquer cidade do país, mas é em Sevilha (e na Andaluzia) onde ela é mais típica.

Fiquei 2 dias e, apesar de ter conseguido conhecer seus pontos principais, terminei a visita com um gostinho de “quero mais”. Eu teria ficado 1 semana facilmente, pra curtir tudo com calma.

Flamenco em Sevilha

Flamenco em Sevilha

Outra coisa interessante é que lá foi a única cidade que me deparei verdadeiramente com a famosa siesta. Entre 13 e 17h, Sevilha vira fantasma: praticamente todos os estabelecimentos fecham e só se vê basicamente os turistas perambulando, loucos pra explorar essa cidade encantadora.

Em compensação, depois das 17h, o fervor de gente volta e aí vai até altas horas. Lógico que as lojas fecham antes (em horário de shopping, devo dizer), mas os inúmeros bares de tapas ficam lotados até mais tarde.

E é em qualquer dia da semana, hein?! Estive lá numa segunda e numa terça, e parecia mais uma sexta e um sábado.

Amei Sevilha e não queria ir embora de jeito nenhum!

Se possível, eis uma DICA bem interessante aqui pra você: reserve mais dias pra visitar Sevilha.

Não precisa ser 1 semana por lá... Mas se puder, coloque uns 3 ou 4 dias inteiros, nem que seja para ficar lá e fazer alguns “bate-volta” para as proximidades – e, de quebra, ainda poder aproveitar o fervo do final do dia quando voltar.

Conheço vários casos de pessoas que cometeram o mesmo erro que eu e reservaram poucos dias. E da mesma forma, voltaram pra casa arrependidos de terem feito isso.

Por isso, reveja o seu tempo disponível e tente ficar um pouquinho mais na capital andaluza. Te garanto: você vai me agradecer!

Para saber o que ver e fazer em Sevilha e mais detalhes de como foram esses dias passei por lá, leia o post sobre o meu Roteiro de 2 dias em Sevilha.

Saindo da Espanha (16º dia) – Indo de Sevilha para Lisboa

No dia seguinte de manhã, rumei até o aeroporto para pegar um vôo de Sevilha até Lisboa (1 hora de viagem) – trecho comprado junto com a passagem Brasil / Europa (a melhor forma de baratear um vôo comum para se deslocar dentro do continente, sem precisar encarar as regras de restrições de bagagem das cias low cost).

Eu preferi o conforto de rachar um taxi com as pessoas que estavam comigo nessa viagem do hotel até o aeroporto: uma corrida de cerca de € 20.

Mas há a possibilidade de pegar um ônibus expresso do aeroporto, que pára em vários pontos da cidade: o Autobús Especial Aeropuerto (EA).

Quem estiver hospedado pelas imediações do Centro Histórico, o ponto mais próximo é o “Passeio de Colóm”.

Esse ônibus também possui paradas próximas às 2 estações de trem da cidade: a Sevilla San Bernardo (que também conta com um ponto do Tram em frente) e a principal, Sevilla Santa Justa – o que pode ser uma "mão na roda" pra quem estiver chegando (ou saindo) por essa última. Confira todos os pontos do ônibus.

O bilhete compra dentro do veículo mesmo. Confira as informações.

Internet no celular durante a viagem

Não dá mais pra viajar para o exterior sem internet no celular. Para fugir das altas tarifas das operadoras a melhor solução é comprar um chip internacional antecipadamente e já chegar no destino com tudo funcionando. A Easysim4u oferece planos sob medida na Europa com conexão de internet 4G franquias proporcionais ao número de dias do pacote. Compre com 10% de desconto usando o nosso cupom exclusivo: PARAVIAGEM10.

UTILIZEI ESSE CHIP NA ESPANHA! Leia nossa resenha no post: Utilizando o chip da EasySim4U na Europa

Considerações Finais

Eu amei ter conhecido a Espanha e considerei um destino de viagem relativamente barato, em se tratando de “euro”.

E apesar de saber que encontraria muitas belezas pela frente, ainda assim me surpreendi com o que vi e com a riqueza cultural do país. Vale super a pena visita-lo.

Espanha

Espanha

Assim como a Itália, há tantas opções e coisas interessantes para conhecer na Espanha, que é impossível ver tudo numa única viagem. A menos que você tenha mais de 1 mês livre, é claro.

Dada a proximidade entre algumas cidades, somado a facilidade e eficiência do sistema ferroviário da Espanha, é uma tentação colocarmos vários destinos em uma só jornada.

Eu mesmo fiquei tentada, mas depois pensei na máxima de que “menos é mais”: é muito melhor ir a menos destinos e conhecer direito cada lugar, do que fazer o contrário. Certo?

Como não tinha tantos dias disponíveis, me conformei com isso e hoje penso que foi a melhor coisa a ser feita. Além do mais, o que ficou faltando servirá de ótima desculpa pra retornar em outra ocasião.

E irei voltar. A Espanha é um destino maravilhoso, que indico a todos.

Dicas importantes para seu planejamento de viagem à Espanha

Para não entrar em nenhuma roubada em sua viagem pelo país, não deixe de conferir nossas DICAS DE SOBREVIVÊNCIA PARA QUEM VAI À ESPANHA.

Vai Viajar?

 Encontre o hotel perfeito para sua próxima viagem com garantia do menor preço. O nosso blog tem parceria com o Booking, serviço que te ajuda a comparar preços de hospedagem em qualquer lugar do mundo de maneira rápida e segura. Você ainda pode fazer uma reserva com a opção de cancelamento gratuito e deixar para pagar só na hora do check-in. Garanta sua reserva de hotel agora mesmo.

 Antes de alugar um carro, faça uma comparação entre as principais locadoras do Brasil e do mundo. A nossa parceira RentCars te ajuda nessa busca de preços e oferece todas as opções de forma rápida e segura. A cobrança poderá ser feita em reais, sem IOF. Divida em até 12 parcelas no cartão de crédito ou aproveite um desconto de 5% no boleto bancário. Compare os valores e economize.

 Não esqueça do seguro viagem. Economize tempo e dinheiro fazendo uma cotação na Seguros Promo. Encontre os melhores planos das principais seguradoras por preços imbatíveis. Pagamento no cartão de crédito em até 12 parcelas ou com desconto no boleto bancário. Ganhe 5% de desconto adicional comprando seu seguro com nosso cupom de desconto: PARAVIAGEM05.

 Compre um chip internacional e se mantenha conectado durante sua viagem. A Easysim4u oferece planos sob medida na Europa com conexão de internet 4G franquias proporcionais ao número de dias do pacote. Você recebe o chip em sua casa, de forma antecipada, e chega em seu destino com tudo funcionando. Compre com 10% de desconto usando o nosso cupom exclusivo: PARAVIAGEM10.

 Encontre as melhores datas para a sua próxima viagem internacional e economize na hora de comprar as passagens aéreas. Usando a plataforma do Passagens Promo você pode pagar com cartão de crédito em parcelas sem juros e sem cobrança de IOF. A empresa conta ainda com selo de qualidade no atendimento. Agora não tem mais desculpe, bora viajar!

Reservando com nossos parceiros, além de garantir o menor preço e um serviço de qualidade, você também ajuda a manter o blog e nos motiva a produzir cada vez mais conteúdo.

Galeria de Fotos:

28 Comentários
  1. Marcos Pereira

    Olá Fernanda!

    Muito bacana ler essa postagem. Eu, que já usei roteiros seus como referência na Itália e França, já rodei todos esses incríveis lugares na Espanha. Vou começar a escrever e ajudar aos demais viajantes também rs. Existe algum grupo fechado no whatsapp do site? Gostaria de participar! Obrigado!

    • Fernanda Rangel

      Oi, Marcos!
      Desculpe a demora!
      É sempre gratificante repassarmos nossas experiências para quem está planejando uma viagem e ajudá-los nessa tarefa (que sabemos bem que é árdua, não é verdade?)
      Infelizmente, não temos um grupo fechado no Whatsapp.
      Boa sorte na sua nova jornada no mundo dos blogs! É uma experiência bem bacana, vc vai ver 😉
      Abs

  2. Amanda

    Fernanda, em vários sites de roteiros da Espanha, eu não encontro quem o faz de carro? É porque é muito longe um destino do outro? A minha viagem para a Provence foi toda de carro e foi o que fez toda diferença. Mas lá é tudo muito perto. Aproveito para parabeliza-la e agradece-la pelo post!
    Grande abraço,
    Amanda

    • Fernanda Rangel

      Oi, Amanda!
      Eu que agradeço o elogio!
      Eu faço tudo de trem por preferência mesmo. Procuro me livrar do volante (estacionamento, gasolina, atenção na estrada…) durante as férias e também adoro desfrutar das viagens de trem, algo super tradicional na Europa e bem diferente da nossa realidade brasileira.
      Mas tem muita gente que adora uma “roadtrip” na Europa e é viável sim fazer esse roteiro que citei aqui de carro. Pra vc ter uma ideia, de Barcelona até Madri são cerca de 650 km. Que eu me lembre, eram as cidades que estavam mais distantes entre si dentre as que visitei.
      Meu contato com estrada na Espanha foi bem pequeno, pois tive que pegar um ônibus fretado da Renfe, já que a estação de Granada estava em obras. Achei a estrada muito bem conservada e sinalizada. Não teria problemas de dirigir por ela.
      Abs

  3. Stefania meyer

    Amei obgda

  4. Marise

    Oi. Fiquei interessada neste roteiro, queria ter ideia do valor que você gastou.

  5. Dali

    Oi, Fernanda! Adorei suas dicas. Serão super úteis para minha próxima viagem. Obrigada!

  6. Rose

    Fernanda adorei seu roteiro e pretendo fazer isso mesmo em fins de dezembro/2018 a janeiro/19 (friooooo!!!!)
    Voce poderia me informar, os trens escolhidos e o preço das passagens? Em euros mesmo, Estou tentando fazer o orçamento da viagem. Qual o tipo ship mais indicado? não vou fazer ligações.

  7. Diego Pena

    Olá, Fernanda.

    Vou fazer uma viagem de carro pela Espanha em fevereiro do próximo ano. Tenho programados dois dias inteiros em Sevilha e três inteiros em Madri. Porém, ao conversar com conhecidos e pesquisar na internet, tenho visto muita gente falando absurdamente bem da Andaluzia, e mais especificamente de Sevilha. Já visitei Madri em outra ocasião e estou com uma dúvida cruel. Você recomendaria trocar um dia de Madri por mais um em Sevilha?

    • Fernanda Rangel

      Oi, Diego!
      Dúvida cruel mesmo, pois são 2 cidades maravilhosas.
      Em 2 dias inteiros dá pra conhecer todos os principais pontos de Sevilha. O problema é que a cidade é tão linda e agradável, que acabamos querendo ficar mais dias por lá.
      Como vc já visitou Madri e não conhece ainda Sevilha, então eu colocaria 3 dias para essa última. Mas se está voltando à Espanha justamente para curtir Madri sem o compromisso de ir aos pontos turísticos principais, então talvez fosse interessante deixar esses 3 dias por lá. Ou então, ficar 2 dias em cada e usar esse dia extra para um bate-volta a alguma cidade andaluza. Sugiro Córdoba, que fica no caminho entre Madri e Sevilha.
      Abs

  8. Matheus Lacorte

    Olá Fernanda, estava olhando seu post sobre o chip internacional e fiquei com algumas duvidas sore o valor do CHIP. Eles são de 60,70,80 doláres?

    E eles entregam na minha casa ou no Aeroporto de São Paulo?
    Como vou saber quem é a pessoa que entrega o chip?

    Agradeço.

    • Fernanda Rangel

      Oi, Matheus!
      Vc faz a compra online e eles te mandam pelos Correios para o endereço que vc informar. Recentemente, 3 amigas compraram chips para usar no Canadá e em 4 dias ele estava nas mãos delas (todas são do RJ).
      Quanto a opção de resgata-lo em algum ponto, aí seria o ideal conferir com a equipe da EasySim, pois nunca passei por essa experiência. Só eles poderão te dar todas as instruções de como fazer nesse caso.
      Abs

  9. elaine

    Fernanda, amei seu blog e gostaria de uma sugestão sua. Iremos pra Espanha e Portugal em julho, não necessariamente nesse ordem, digo isso pq no nosso roteiro gostaria de incluir a Galicia que é onde meu falecido sogro nasceu, iremos conhecer a cidade dele, minha duvida é se o melhor seria começar por Lisboa – Porto – Galicia – Madri ou o inverso? ainda estou cogitando a possibilidade de colocarmos Barcelona

    • Fernanda Rangel

      Oi, Elaine!
      Desculpe a demora. E obrigada pelo elogio. 😉
      A ordem dessas cidades vai depender do voo entre Brasil-Europa. Por exemplo: se vc for de TAP, chegará por Lisboa ou pelo Porto. Talvez fosse interessante ir direto depois para a Espanha, visita-la e depois voltar a Portugal, visita-lo e já estar no país onde irá embora depois.
      Se for fazer a Espanha primeiro, acho que seria melhor ir a Madri primeiro, depois ir a Galicia e vir descendo pro Porto e depois Lisboa. Se incluir Barcelona, eu iria pra lá primeiro, depois Madri e assim por diante.
      Há uma infinidade de combinações para esse roteiro. O ideal é procurar fazer um trajeto que siga mais ou menos “linear” e não ficar ziguezagueando pela Europa. Não adianta estar na Galicia, depois ir pra Barcelona, depois pra Lisboa e terminar em Madri, entende?
      Abs

  10. Patrícia Rocha

    Oi Fernanda,

    Muito bom o seu relato!
    As passagens de trem para Toledo e Cordoba você comprou com antecedência ou foi na hora mesmo?
    Vou pra lá em março!

    Obrigada!

    • Fernanda Rangel

      Oi, Patrícia!
      Obrigada pelo elogio!
      Comprei com antecedência, pelo site da Renfe. Não só para garantir a passagem, mas também porque quanto antes comprar, mais barato é.
      Abs

  11. Renata

    Qual foi a temperatura que você pegou? Vamos agora dia 17/03 e queria saber qual roupa usar.

  12. Sandrine

    Boa tarde Fernanda! Muito bom seu relato sobre a Espanha! Eu e meu esposo, por conta do trabalho, temos disponibilidade para ir somente em dezembro (antes do Natal) e retornar em Janeiro, totalizando +- 25 dias de viagem. Estamos pensando em dois roteiros: o primeiro seria somente Portugal e Espanha e o segundo seria Holanda, Belgica, Paris, Espanha e Portugal. Gostaria de saber se há uma boa época do ano para esses roteiros… O que vc acha? Muito obrigada!!! Abraço, Fernanda!!

    • Sandrine

      Uma correção: gostaria de saber se é uma boa época do ano para esses roteiros?

      • Fernanda Rangel

        Oi, Sandrine!
        Eu que agradeço o elogio!
        Nunca visitei a Europa entre dezembro e janeiro. Dentre os meses frios, no máximo fui no meado de fevereiro.
        O problema é encontrar neve. Se o objetivo da viagem fosse curtir isso, tudo bem. Mas quem vai a Europa, geralmente quer visitar os pontos turísticos, passear nas ruas… Se nevar, vai atrapalhar bastante.
        Acho que Portugal e Espanha vcs não terão grandes problemas, pois é frio mas geralmente não tem neve. Em Paris é possível que não, mas dizem que às vezes acontece de nevar.
        Já na Holanda e Bélgica, a probabilidade é enorme. Em Amsterdam, por exemplo, se nevar, não tem passeio de barco pelos canais…
        Mas como vcs só tem esse período pra viajar, então vão na fé. Viajar pra Europa é sempre incrível, independente do clima. 😉
        Abs

  13. MARCO ANTONIO MATTOS

    Fernanda boa noite
    estou planejando minha viagem a Espanha e quero ir no Alcazar de los reyes e não estou conseguindo entender como devo comprar ingressos . Não sei se compra pela internet ou compra na bilheteria no próprio Alcazar.
    Você pode tirar essa minha duvida ?

    • Fernanda Rangel

      Oi, Marco!
      Vc diz o Alcazar dos Reis Católicos em Cordoba, certo?
      Eu comprei lá na hora, sem problemas. Mas fui na baixa temporada, não sei se seria tranquilo nos meses de verão, quando a procura deve ser maior…
      O site oficial do órgão de Turismo da Espanha disponibiliza um link para reservas de tickets. Veja aqui.
      Abs

  14. Silvana

    Oi Fernanda,

    Acabei de voltar da Andaluzia, fiz um pit-stop em Córdoba e já se pode deixar malas maiores na estação rodoviária eu viajei com uma mala grande e não houve problema. Há uma pessoa que organiza lá no locker.

Totos os direitos reservados